Pão de Açúcar festeja seus 400 anos de povamento


Um lugar onde a lua beija as águas do rio São Francisco

Ano de povoamento, citado por Moreno Brandão. Claro, que baseado na versão histórica, registrada pelo colonizador português. Data de 1611, a presença das gentes; brancas e indígenas, que fizeram do lugar, diga-se de passagem, belo, local de moradia para todos. Antes, porém, ainda segundo o jornalista, historiador, poeta e, sobretudo, pãodeaçucarense, Moreno Brandão: Havia apenas um troço de índios Hurumari e uma floresta bonita, ao pé da qual o São Francisco deslizava embalando a sombra verde dos cedros altos”.

O que quer dizer que os nativos da região já ali se encontravam, desde antes da chegada dos portugueses; vivendo, pescando, caçando e admirando as noites de luar, onde a lua beijava as águas do Velho Chico - o Rio Opara dos indígenas -, que em Tupi Guarani significa rio-mar. Mas, convenhamos, que a pesquisa do historiador, embora não contendo dia ou mês, registra o acontecimento em tal ano.

É no decorrer do ano de 1611, no século 17, que no Brasil começa a ser construído o convento do Carmo, no Rio de Janeiro. Em Portugal, Dom João Coutinho assume o cargo de reitor da Universidade de Coimbra e em Londres, no Palácio Whitehall, acontece a primeira apresentação da peça: ‘A Tempestade’ de Shakespeare.

Pão de Açúcar, a Jaciobá dos Hurumari, de uns tempos para cá escrita em nova grafia: Urumaris, localizada no que hoje é a semiarideza alagoana, era reconhecida como povoação, enquanto lá fora, para além dos mares, a Europa ostentava a sua garbosa condição de continente civilizado. Aqui, nossa mata ainda virgem, repleta de verdes, como se fora um paraíso, começava a se chocar de fato, com a realidade da cultura do trabalho do homem branco, antagonista à cultura do trabalho indígena.

Aqui, onde os costumes do colonizador, que compreendem além de outras especificidades, uma fé e uma religião, seriam impostos à força ao nativo, a partir de uma visão e de um conceito etnocêntrico. Aqui ainda, os conceitos pejorativos e ditatoriais de ‘cultura’ intrinsecamente associados à civilidade, passarão a vingar. Comportamento e premissa que, infelizmente, persistem e norteiam posicionamentos de muita gente, até os dias de hoje.

Porém, lá atrás, há não apenas uma história, mas diversas histórias, que vêm sendo tecidas e que constroem um mosaico dinâmico e efetivo, da relação entre povos, costumes, religião, olhares e experiências que se confundem ao longo do tempo, e que conta parte da trajetória feita dos que estamos vivendo a realidade dessa ampla miscigenação, da qual somos frutos, herdeiros e representantes.

A cidade se prepara para no mês de julho comemorar os 400 anos do seu povoamento. Durante as comemorações não podemos esquecer a marca indelével que, mais do que trazemos, somos, de vários povos e várias histórias. Minha bisavó materna era neta de índios, meus avôs paternos eram descendentes de portugueses. Somos os pãodeaçucarenses, inumeráveis, em cada um que somos. Vimos e louvamos com a voz e os olhos dos nossos antepassados indígenas, o espelho da lua: Jaciobá.

E dos nossos próprios olhares, conferimos o registro histórico dos nossos antepassados portugueses, sobre a mesma lua bela e brilhante que faz do lugar e de sua gente, expectadores e testemunhas do seu reflexo sobre as águas do Velho Chico.

Cidade Branca... Não há outro nome tão significativo ao lugar quanto o que o chamavam os indígenas. Torno minhas as palavras de Jorge de Lima, poeta alagoano, quando lamenta em seu poema, Rio de São Francisco:

“Jaciobá - espelho da Lua, por que te chamam Pão de Açúcar?”

Comentários

  1. Espelho da Lua- Jaciobá- Espelho da beleza infinita, do amor desmedido, espelho da minha vida...

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Jucélio Souza, esse talentoso artista de Pão de Açúcar

Amanhã já é ontem

O que não se pode pesar