Ruído

O dizer transborda-me,
E estilhaça o diálogo em conjugações verbais desiludidas.
Uma por uma, sigo juntando-as,
para ousá-las de novo,
usando pretérito amoroso.

Mas, a audição é surda,
E não me sabe ler nos lábios,

o intento sublimado
No presente, falo em idioma morto.
Não ser entendida é quase um desespero,

E dizer o que estou sentindo,
mais parece um desperdício

Comentários

  1. Escrever é escrever-se, e, portanto, angustiar-se... De uma escrita angustiante, saiu-me esta mini-poesia:

    PALABRAS

    Palavras se guardam
    Não se jogam fora

    ****

    Haha!
    Beijo, Gorettita!!!

    ResponderExcluir
  2. Que beleza, Pri!!!!! Lindo, lindo! Beijão e sempre ande por qui, viu?

    ResponderExcluir
  3. Goretti,
    Pra quem gosta das palavras seus versos dizem muito. Amei.
    Beijo.
    Liduína Benigno

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Jucélio Souza, esse talentoso artista de Pão de Açúcar

Amanhã já é ontem

O que não se pode pesar