Caminhando pelos outonos e invernos da existência

Um olhar sobre o envelhecer


Um dia a gente passa em frente ao vidro espelhado de uma loja, em um centro comercial, e sente o impacto: não somos mais os mesmos. Mudamos. A sensação que se tem é a de que estamos em um corpo errado. É como se uma máscara, revestindo a nossa pessoa inteira, estivesse escondendo e roubando a imagem que até então era a nossa identidade; o eu-sou-este (a). 

Somos pegos de surpresa, porque ainda que tenhamos a mente cheia de idéias e projetos, acontece uma grande confusão: a pessoa de dentro começa a não combinar com a imagem projetada no exterior e o próprio corpo dá indícios de que a vigência física começa a declinar.

Sequer somos convidados a entrar no processo. Neste sentido não há escolhas. Há sim, um caminho a percorrer, como outros percorridos tempos atrás, quando passamos de embrião, a feto, de criança a adolescente, de adolescente a adulto. Durante tais etapas, também não pudemos escolher parar no meio do caminho, onde nos sentimos confortáveis, mas, é como se subíssemos uma ladeira. Tempo de construção no mundo exterior, perseguimos sonhos, traçamos metas, corremos atrás de estabilidades, buscamos um lugar dentro da vida social e estamos ocupados com isso.

Implacável, o tempo passa. Muitas pessoas na meia-idade lançam luz frouxa sobre a inquietação que as persegue, pressentindo a ferida que a clarividência inevitavelmente vai causar. Assumir que adentraram as portas outonais e que terão que enfrentar o inverno da vida, para muitos é doloroso e assustador. Porque quando ainda bem não se chegou ao topo da montanha, local simbólico, de onde se podem observar o contexto das aquisições humanas - família, trabalho, sociedade – sobrevém a pergunta sobre o que se colheu, sobre o que foi colhido: flores, trigo, e de quais fontes, foram as águas por nós bebidas, e de que ar enchemos os nossos pulmões?

Significantes, que se nos foram oferecidos pelos campos da vida. Não podemos voltar atrás para ir buscá-los. Mesmo assim é preciso ter coragem de enfrentar nossos medos, para empreender lutas, que às portas do envelhecimento, nos espreitam como monstros e megeras do nosso mundo interior, e que irão, impiedosamente, nos condenar e cobrar por cada coisa, cada detalhe, do que deixamos por fazer, do que negligenciamos e do que nos esquecemos de trazer como suportes espirituais, psicológicos, necessários à nova experiência. Vividas as primeiras estações, somos requisitados a vivenciar outras instâncias. O que temos para nos ajudar a vivê-las?

Longe da beleza juvenil e, próximos às rugas, manchas, fragilidade física, que acentuam a condição de que estamos envelhecendo, surge à experiência que nos permite não apenas contemplar, mas mergulhar na ossatura, daquilo que é vital em nós, como decifrar a arte de construir a vida. Quando temos a certeza de que somos finitos, é que paradoxalmente, a vida tem mais valor e é mais reverenciada. Por trás das perdas físicas do envelhecimento, está o prêmio às escolhas que nos foram permitidas fazer. Aos que observaram as brotações do solo da alma e fizeram colheitas pelo caminho da existência, esses continuarão alimentando o coração e enchendo a vida de sentido e alegria.

Comentários

  1. Já ouvimos falar em Juventude Transviada? Mas, Será que existe a Velhice Transviada! A Velhice de Van-guada? A velhice cabe muito bem na mente, e a juventude aflora na velhice?O que é ser velho? Já nascemos velho, como quem já nasce prá morrer? Nascendo já estamos morrendo! Três coisitas que nos assombram a existência: Enfermidades, velhice e morte! Bem, cabe a cada um escolher!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Jucélio Souza, esse talentoso artista de Pão de Açúcar

Amanhã já é ontem

O que não se pode pesar