Misturando povos: o sertanejo alagoano ao chinês da Ilha de Taiwan

Um pensamento, talvez mestiço...


Nem tão longe, nem tão perto, a depender do ponto de partida, mas distante alguns quilômetros da capital alagoana, diferenciado pela mudança de clima, que é uma determinante na diferente paisagem, o sertanejo que vive nos rincões, expostos à luz do sol quente, como se costuma dizer por aqui, é um sujeito sem meio termo: Sebite, falador joga o seu palavreado, comum aos costumes da sua região e da sua gente, é um sabe-tudo.

Há, porém, o acanhado e quase mudo, que esconde a fala, e compensa o silêncio rindo muito em resposta àquilo que ouve, além de conservar por anos a fio, um olhar para baixo, que não ultrapassa a cintura do interlocutor, até o dia em que se sinta confiado e igual, para olhá-lo da cintura pra cima. Conheço e convivo com os dois tipos. Ambos se aprontam para irem à feira na ‘rua’. Na cidade, um teatro de marionetes atrai o homem simples, de alma pueril, que fica deslumbrado com as andanças e com as mensagens passadas ao povo pelos fantoches.

Lá estão misturados às crianças: o vaqueiro, a rezadeira, sertanejos das mais variadas idades, compartilhando da alegria da ‘brincadeira’, onde podem se ver a si mesmos, e sem saber compondo a cena que registro, meio metalingüística: feito de poesia que assiste a poética que reproduz a vida e que faz reverberar ainda mais poesia, nos rudimentos de um lirismo singular que, sobretudo, sempre serviu como veículo de informação. Muito usado nos programas infantis de TV, a manifestação, rueira, genuína expressão popular, está condenada ao desaparecimento.

Em 1993, o diretor Hou Hsiao-Hsien, trouxe às telas do cinema, o filme, O Mestre das Marionetes, que mostra a vida de Li Tienlu, um manipulador de fantoches, como narrador da própria história. O cenário é a Ilha de Taiwan, próxima a China continental, que durante 50 anos viveu a ocupação japonesa. Sobre o pequeno palco, os fantoches se expressam acompanhados por um grupo de músicos. Pelos caminhos da arte, eles pontuam e dão ênfase à realidade e aos acontecimentos da vida política e pessoal. Suas tradições, superstições, sua música, questões culturais que envolvem desde costumes alimentares, até os religiosos.

Em se tratando da Ilha de Taiwan e do sertão de Alagoas e apesar da distância que separa sertanejos alagoanos de chineses taiuaneses, oriente e ocidente parece compartilhar de uma mesma fonte, de onde são originados padrões comuns comportamentais, que diferem na exteriorização dos mesmos, influenciados pela expressão cultural específica de cada país. 

Talvez seja o resultado, também, da influência cultural entre povos. Da mistura existente desde muitos séculos entre nações. Mundos que acontecem dentro do mundo. Coisas da globalização... Mestiçagem... Este assunto é para o historiador e paleógrafo francês, Serge Gruzinski. Estou só especulando...

Comentários

  1. Isso me fez lembrar que a fome ,a sede e a raiva, a bondade e a maldade mora na raiz da sociedade ,tanto reprimida, tanto quanto faminta! Seja em Taiwan, ou no Sertão das Alagoas!

    Belo Texto, Gó!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Sagrados, como o fogo de Prometeu

Amanhã já é ontem

O que não se pode pesar