Salve Salve Pão de Açúcar, salve a terra da cultura... E viva a prefeitura!


O povo vota. A maioria elege

Li sobre a entrevista concedida pelo prefeito eleito Jorge Dantas, hoje pela manhã, a José Vicente, da rádio Jaciobá. Nela ele sinaliza suas disposições e seu plano de governo. Acredito que o momento seguinte para todos os eleitores da Onda Azul e do Mar Vermelho é acompanhar e conhecer o conteúdo do plano gestor de Jorge. Vencedores e vencidos nesta “batalha eleitoral”, estamos às portas da futura administração. 

É da obrigação de todos, é da responsabilidade de todos, e deve ser causa e efeito ao nosso interesse, para aquilo que vem adiante, porque saídos todos do período de campanha, entraremos em janeiro/2013 em outro contexto. Aos que escolheram votar em Jorge, a responsabilidade não é menor. 

Ao contrário, deve ser ainda maior, porque o que se deve comprovar na prática, é que o candidato eleito pela maioria tem realmente compromisso com essa maioria que o escolheu. Em nome dela e para mostrar que seus oponentes estão enganados, Jorge precisa executar ações, para concretizar e materializar as propostas feitas em campanha. O objetivo do seu mandato é promover mudanças e gerar desenvolvimento para Pão de Açúcar. 

Atitudes paternalistas não deveriam ser levadas em conta. Porque elas remetem a estratégias comuns, desonestas, e amplamente satisfatórias à grande parte de políticos. Não ao povo. Quando um político ajuda uma pessoa que não votou nele, não está fazendo mais que sua obrigação. Um gestor é gestor de uma cidade, do município. 

Ele não é o prefeito de quem o elegeu. É prefeito para uma população pãodeaçucarense, de 15.615 eleitores, dos quais, este ano, 14.287 compareceram às urnas e fizeram a sua escolha. Ele não pode perseguir quem não o escolheu. A escolha é livre. As pessoas têm o direito à liberdade de escolha. 

O bom político, o de boas intenções, chega junto de qualquer cidadão. Ninguém é obrigado a votar nele contra a vontade. E deve a todos tratar com distinção. Nenhum cidadão ‘deve’ nada a um político que se utiliza de uma necessidade sua, para dizer: “olhe aqui. Eu sei que você não vota em mim, mas eu vou lhe ajudar”, isso é coerção. 

Isso é cobrança de ‘reconhecimento’. Isso é encabrestar voto. Isso é exigir que a pessoa que foi ajudada, vote nele quando ele se candidatar novamente. Esses expedientes são antigos. São remotos, são dos tempos dos coronéis. O povo precisa dar a si mesmo o valor que merece.

Nenhum político, nenhum homem público tem o direito de coagir nenhum cidadão. Toda a ajuda que uma pessoa recebe de um político, vem do nosso próprio bolso. Vem dos nossos recursos, vem dos cofres públicos e são geridos pelo administrador da cidade. 

Quem deve favor a político é quem se vende a ele. Quem vende sua consciência social em troca de benefício pessoal é pior do que quem, supostamente, vende seu voto em troca de satisfações de necessidades imediatas. 

As mesmas palavras eu diria se Cacalo tivesse sido eleito. O povo vota. A maioria elege. Cabe à população de Pão de Açúcar, impulsionar, conferir e fazer com que se concretizem todas as ações que o plano gestor apresentará à população, para servirem de esteio e desenvolvimento nesses quatro anos de administração. Não esqueçamos, no entanto, que o exercício de cidadania não começa e termina com o voto. Vai adiante e a partir dele. 

Parabéns Jorge! A maioria do povo desta nossa Cidade Branca, onde a lua se deita sobre as águas do Velho Chico, confia em você! Pão de Açúcar precisa de quem cuide bem dela e de quem faça com que tenhamos orgulho de sermos paodeaçucarenses.

Para quem quiser conhecer e ter em mãos o conteúdo da entrevista do prefeito Jorge Dantas
http://minutosertao.com.br/index.php/blog/helio-fialho

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Sagrados, como o fogo de Prometeu

Amanhã já é ontem

O que não se pode pesar