Figurado


Pássaro inocente, cujas asas distanciaram-me o universo e o vôo
Entrou pela minha varanda e brigou com a transparência,
sem entender o vidro da porta,
assim como não sei ultrapassar o meu destino.

Sou eu sim, a subir discretos relevos,
A arriscar-me em rasantes vôos.
Minhas asas feitas em casa, de velhos lençóis sobre os ombros,
Alça-me até agora sobre a mesa da cozinha,
sobre janelas da fachada, 
voando sobre um  céu feito de calçada e cimento,
sobre o tempo da memória das coisas.

Dessas coisas é que me saiu do peito a ave,
quebrantando a limpidez, agora, sem entender a porta.
Sem o refúgio no mistério do vidro, desguarneço.
Perdi-me do mundo do faz-de-conta,
Perdi das asas o vôo tecido em algodão
E os fragmentos pontiagudos transluzidos,
cobrem o limiar da porta,
entre mim e os meus medos.
Para atravessá-la, haverei de dilacerar os pés.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Jucélio Souza, esse talentoso artista de Pão de Açúcar

Amanhã já é ontem

O que não se pode pesar