Postagens

Mostrando postagens de Junho, 2013

Biunívoco

Dentro do seu olho que me olha,
eu me vejo no seu olho que vê o seu olho me vendo
Será que dentro dos seus olhos só nossos olhos se vêem???

Cambiante

Eu brinco de colar cotidianas realidades, retendo pedaços de céu de um azul esmaecido, enquanto espalho por dentro dos olhos, recortes de parabólicas e telhados, de casinhas coloridas e 'pés-de-pau'.

Atavio uma janela imaginária, com chão verticalizado, entre dois vértices cruzados, feitos dos meus dedos, e dentro dela, componho a colagem feita do quanto tudo é real. É que eu quero reter das suas metáforas o sentido, só para guardar nas coisas vistas, alguma coisa de mim, pulsante, no agora.
Toda a imagem que recolho, me representa colada no mundo desta manhã. Amanhã... é tudo tão diverso. Mesmo que todas os signos se anunciem iguais. Não me devo enganar: eles mesmos, que constelarão meus sentimentos, me revelarão outros sentidos.

Isadora, Isa, Dorinha...

Imagem
Tempo de chuva, Didinho meu irmão, em menino, encheu uma sacola de sapinhos e despejou-os dentro de casa. Foi um rebuliço.
Deitada no cimento frio, a menina imaginava que colocando uma cadeira sobre outra, muitas, subindo, subindo, chegaria nas nuvens. 
Lilice tinha como certo, que os ovos já saíam cozidos da galinha, e que seu olho esquerdo enxergava mal, por se tratar de estar no lado esquerdo e ela ser destra.
Bruninho, sobrinho da minha cunhada Waldirene, me avisou muito sério, que a sua galinha tinha parido um ovo. 
E Guigo veio me dizer surpreso, ao ver a vizinha, moça-velha, com um bebê nos braços : "Mamãe, Lu deu cria!". 
Lelo, tomou uma colherada de lambedor de hortelã, para acalmar a tosse, e exigiu que se colocasse mais em um prato. Queria tomar igual a como se toma sopa.
Thaminha ocupava a sala de visitas, lá em casa, onde a nossa infância reinava absoluta, e dava aulas diárias às suas bonecas, que sentadas no chão, entediadas, queriam brincar de outra coisa. Tinha mes…

Festa do Padroeiro

É com imensa alegria que transcrevo a publicação do último sábado 01/06/2013, das páginas do caderno Saber, do Jornal Gazeta de Alagoas para o meu blog, o poema do amigo de longas datas e de excelentes memórias compartilhadas, Álvaro Ântônio, conterrâneo, filho de Pão de Açúcar.



FESTA DO PADROEIRO - POEMA
Por: ÁLVARO ANTÔNIO MACHADO*
Pronto. João Lisboa terminou a pintura da igreja.

A Matriz está pronta para a festa.

Agora é a vez da Prefeitura limpar o coreto,

iluminar a praça,

construir pavilhões

e organizar a festança.

A paróquia vai convidar as autoridades

e fazer a programação.

Ninguém nega o apoio e

cada um fará sua parte para o brilho desses dias.



As escolas ensaiam os jograis,

as quadrilhas,

os dramas-da-roça,

preparam seus alunos para competir.

O nome do colégio tem que ser respeitado.

Os alfaiates faturam: todo mundo quer

“quebrar a tigela” na festa.

Crianças serão batizadas,

dezenas farão a primeira comunhão.

Zefa vai noivar.

E será que neste ano a Maria casa?



Pra quem mora no “centro” chegou o te…