Por associação



Do botão à flor,
da lagarta à borboleta
do bambuzal no meio da viagem,
à viajante paisagem que enfileira pensamentos.
Um casebre com janelas desleixadas corre pelos meus olhos,
também, aquelas duas mulheres.
Pensando bem, não eram duas.
Eram três, 
e vinham ao sol, com sombrinhas coloridas.
Lembrei das minhas quatro gueixas de delicada louça,
tocando seus instrumentos, e cenas do cinema japonês.
Em uns cinco filmes.
Eu preciso é de um sofá, de Ozu e Hore-eda

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Jucélio Souza, esse talentoso artista de Pão de Açúcar

Amanhã já é ontem

O que não se pode pesar