Março

Minha trepadeira espicha, serpenteando, parindo folhinhas,
Meu pezinho de manacá inaugurou quase meia dúzia de folhas verdinhas,
Ontem fez-se uma chuvinha fina, constante, ao meio da tarde.
Minha irmã logo fará anos.
Tenho uma dúvida quase desinstalada,
uma certeza quase ajustada,
Ontem, também, sonhei um fosso em cone, profundo,
De onde se podia ver um retângulo de águas límpidas.
Ao redor, em cima, pedras e desertos.
Quem sou eu a perguntar dos meus sonhos o significado?

Respondo-me:
Sou eu a sonhadora e só a mim pertencem as decifrações.
Eu poderia me decifrar se tivesse mais tempo ou paciência.
Em março, atrevo-me somente a me buscar...

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Jucélio Souza, esse talentoso artista de Pão de Açúcar

Amanhã já é ontem

O que não se pode pesar