Bem no meio da vida...

Cheguei ao meio da vida... De repente afloram partes minhas até então reprimidas, meu ego se abala ante verdades e valores que já quase não se sustentam... Passar da persona para o despertar da alma. Situação limiar... Mas é preciso enterrar os mortos (juventude? Frustrações? Sonhos desfeitos ou inalcançáveis?) No meio da vida, na crise da meia-idade, como queiram, é preciso aceitar as separações que oprimem o ego, reverenciar o luto e partir para a reintegração... Minha alma me espera e, de braços dados, vou mergulhar com ela nessa outra metade...

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Sagrados, como o fogo de Prometeu

Amanhã já é ontem

O que não se pode pesar