Monólogo ou talvez uma vã filosofia a Dirceu Fonseca

"Não existe uma verdade cujo sujeito possa ser o seu detentor"

Você acredita mesmo, meu caríssimo Dirceu, meu locutor e interlocutor, emissor e meu receptor de tantos diletismos, em outros cenários paodeaçucarenses - mais plásticos e simbióticos -, que no espectro solar, a cor vermelha é signatária da corrupção e é também corruptora às outras cores?
 
E sobre aquelas pessoas que usaram a cor vermelha durante a campanha eleitoral, você acha mesmo que elas, ao usarem essa cor como símbolo do seu candidato, são todas elas corruptoras, meu respeitoso e inteligente filósofo?

Dentre todas as outras cores, que agora após as eleições, você vaticina: todos poderão usar, qual delas é signatária da arrogância? Qual a cor do ressentimento?
 
Sob o imenso manto azul que veste o nosso céu, e sobre o chão que a gente pisa, todos, sem exceção somos espectros solares. A vitória de um candidato não invalida opiniões contrárias, não significa que os interesses, diversos, que agregou a maioria sejam os mais certos, nem apaga a cor vermelha que muitas pessoas decentes e pensadoras como você, quiseram vestir. Não me refiro aos candidatos.

Refiro-me às cores: Azul e Vermelho. Elas são signatárias de virtudes e vícios. De corruptos, corruptores e corrompidos. As cores se influenciam umas às outras. Assim como entre o yin e o yang, o final do dia e o começo da noite há um ponto, mínimo e com um tempo ínfimo que seja, onde os dois lados de uma mesma moeda se misturam e se confundem e nessa mistura e confusão, corremos, todos, o risco de sermos contaminados pelos vícios e corrompermos nossas virtudes.

Uma cor que seja soberana em Pão de Açúcar, como você enuncia, só traduz arrogância e poder. E a democracia é legítima quando traduz equilíbrio.

Veja a bandeira de Alagoas. A nossa bandeira:

Ela é vermelha de um lado e azul de outra. Quem tem o maior poder e a maior de todas as soberanias, para fazer o melhor para o povo de Pão de Açúcar, somos nós mesmos. Após as eleições, o povo, nós, meu caríssimo Dirceu, somos a meu ver, signatários da cor branca. O branco sim, é a mistura de todas as cores, reveladas na transparência de todos os arco-íris. Nós, com nosso empenho, é que equilibraremos as cores (Idéias) e daremos curso ao nosso enredo.
 
Se a nós mesmos nos fazemos pejorativos, e sobre o povo-azul, você afirma que : "Estamos todos muito alegres (...) vamos escrever por aqui nosso enredo, nossa história... por enquanto, também se chamará SALVE JORGE!!!Rsrsrs", os que se vestem de vermelho podem, fazendo suas as palavras do grande poeta russo Maiakovski, responderem:  

“Não estamos alegres, é certo. Mas também porque razão haveríamos de ficar tristes? O mar da História é agitado”

SALVE TODOS OS PAODEAÇUCARENSES!!!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Sagrados, como o fogo de Prometeu

Amanhã já é ontem

O que não se pode pesar